“Efectivamente” quase ninguém ficou no restaurante “Carolina de Aires”

0
O restaurante da Costa da Caparica foi o último de “Pesadelo na Cozinha”. A ASAE já passou por lá e pediu obras, as cozinheiras saíram todas e o dono contratou Cristino porque ele “tinha jeito para aquilo”.

A Carolina e o Aires começaram a receber clientes na década de 50 e depressa transformaram o seu espaço em paragem obrigatória na Costa da Caparica. Os anos passaram, os donos morreram, os herdeiros venderam o Carolina do Aires e Agostinho Cunha ficou com o restaurante em 2013.

Em dezembro de 2016, quando o “Pesadelo na Cozinha” passou por lá, só restavam as memórias desses tempos. O dono quase não aparecia, as cozinheiras não se entendiam e o responsável pela grelha não recebia ordens de ninguém.

Quando Ljubomir Stanisic se sentou à mesa para provar alguns pratos, encontrou uma carta com 140 opções em que mais de metade não estava sequer estava disponível. Agostinho Cunha garante que o chef sabia dessas limitações e que “só pediu aquilo que não havia para fazer o filme dele”.

O que o programa da TVI — que terminou este domingo, 4 de junho — implementou, desapareceu quase sem deixar rasto.

“Não mantemos nada, temos a carta à maneira antiga”, diz à NiT o proprietário do Carolina do Aires. A ementa em formato de barco e as páginas com imagens dos pratos desapareceram e o restaurante tem uma folha A4 plastificada, tal como deixou a produção, mas não há jaquinzinhos nem prego de atum. Em vez disso, regressaram o choco frito e os filetes de peixe galo.

“Era um dos pratos que mais se vendia e eles chegaram aqui e tiraram-no. Houve muita gente que chegou e se foi embora porque não havia o peixe galo.”

Na equipa quase tudo mudou, começando pela cozinha. Ermelinda, a chef, saiu logo após as gravações. “Fui eu que a pressionei. Ela nunca foi cozinheira para esta casa”, admite o dono. Paula, a cozinheira, foi transferida para outro espaço de Agostinho Cunha e Ana, a ajudante, foi-se embora. Mário mantém-se nos grelhados porque “tem 30 e tal anos de casa”. Na sala estão Pedro e Paulo, que é agora o responsável, e à equipa juntaram-se Conceição (cozinheira ainda no período de experiência), Lisete (ajudante) e Luísa (na copa). Agostinho diz que coordenada tudo e “vai assumir a cozinha” daqui para a frente.

Mas, então, o Carolina do Aires já não tem gerente? Claro que não nos esquecemos de Cristino, o funcionário que falava pausadamente e que, garante o proprietário, foi contratado pelo próprio só para fazer o programa.

“Eu tinha um gerente que tinha ido embora há pouco tempo. Naquela altura falaram-me dele [Cristino], uma pessoa que nunca tinha trabalhado na hotelaria mas que já tinha sido ator, que tinha jeito para aquilo.

Cristino era, efetivamente, um ator e foi à vida dele pouco depois de “Pesadelo na Cozinha”.

O Carolina do Aires reabre esta segunda-feira, 5 de junho, depois de ter estado quatro dias fechado para obras. A ASAE passou por lá recentemente mas Agostinho Cunha garante que as alterações já estavam previstas, agora apenas chegaram a um “consenso para mudar calhas e mais umas coisas”.

Fizeram pinturas, arrumações e retiraram o carvão. Tudo custou 20 mil euros, diz o proprietário, alegando também que as mudanças lhe tinham sido prometidas pela produtora do programa, que o convenceu a participar no projeto.

“Houve uma menina que apareceu noutro restaurante meu, que ao almoço estava um bocado vazio, e sondou-nos para fazermos obras. Eu disse que não queria e ela disse que podíamos ver o da Costa [da Caparica].”

Ficou então definido que o Carolina do Aires seria um dos espaços ajudados pelo “Pesadelo na Cozinha”. “Na altura pensei: ‘Se posso fazer obras de borla, vou pagar para quê?’”

Agora diz que a equipa “partiu calhas, deixou lonas de má qualidade e nunca mais ligou”.

Agostinho Cunha garante que a produção dizia aos funcionários para saírem do restaurante e não os deixava trabalhar

O espaço teve direito a uma decoração renovada e atualizada mas não precisava de obras de fundo. Ainda assim, Agostinho Cunha lamenta: “Nem um prato, nem a faca do chef ele deixou para recordação.”

Aliás, há coisas que ele até quer devolver, como a montra para o marisco que Ljubomir Stanisic arranjou. “Aquilo não tinha jeito nenhum no meio da sala, era só água no chão. Se ele quiser vir buscá-la, eu ofereço-lha.”

Em dezembro, Agostinho Cunha passava pouco tempo no Carolina do Aires devido a uma série de problemas pessoais que enumera: tinha tido um acidente de carro há pouco tempo, a mulher tinha acabado de ter gémeos e estava internada, o sogro morreu na mesma altura. Contudo, garante que nunca abandonou o restaurante e houve coisas fabricadas na emissão.

“Tínhamos momentos em que não podíamos estar cá, puseram-nos na rua.”

Enquanto isso, no interior do espaço, a equipa técnica montava as câmaras e o equipamento. Agostinho Cunha diz que fizeram mais do que isso.

“A fritadeira, por exemplo, teve o óleo mudado no domingo e na segunda-feira já não nos deixaram fazer nada. Só entrámos ao meio-dia.”

No programa, Ljubomir Stanisic retirou do fundo do recipiente uma quantidade enorme de sujidade. O proprietário tem uma explicação: “Aquilo era farinha de fritar o peixe mas alguém a pôs lá. Acho que o chef não ia fazer isso mas, quando entrámos, o balde que devia ter essa farinha estava vazio.”

Em relação à qualidade e frescura dos alimentos, Agostinho desvaloriza: “Os nossos produtos sempre foram frescos mas não nos deixavam trabalhar.”

Se pudesse recuar no tempo, o dono revela que “nunca na vida” voltaria a participar em “Pesadelo na Cozinha”.

“Maldita a hora, mais valia ter partido as duas pernas.”

Isso quer dizer que tem vontade de vender o restaurante, como aconteceu com outros participantes do formato da TVI, como o Tapas ou o Dona Porto?

“Até tive uma oferta do chef [Stanisic] para vender. Só se foi na brincadeira.” Efetivamente.

Fonte: nit.pt